SE VOCÊ DISPONIBILIZAR, ELES CONSTRUIRÃO? A EDUCAÇÃO CAPTURADA PELO IDEÁRIO DA CULTURA HACKER E ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE OS MODELOS CONTEMPORÂNEOS DE EAD

  • Luiz Alexandre da Silva Rosado Instituto Nacional de Educação de Surdos
Palavras-chave: autoria, tecnologias na Educação, cultura hacker, ideologia libertária, crítica da tecnologia

Resumo

O presente artigo traz como questão problematizadora a afirmação, corrente nos estudos mais otimistas
sobre as novas tecnologias digitais na Educação, de que os participantes de espaços mediados por computadores
e pela internet são pessoas altamente motivadas e com vontade de criar, intervir e produzir, ou seja,
serem autores. A ideia de um sujeito livre, autônomo, participante de comunidades de produção organizadas
via internet, nos remete a um ideário presente nos primórdios da computação universitária estadunidense,
contracultural sessentista e setentista, visando contrapor os sistemas mais rígidos e altamente burocráticos
dos governos e grandes corporações. A cultura hacker é então analisada e definida para, a partir dela,
chegarmos ao atual movimento da educação aberta, democrática e participativa nos anos 2000: MOOC, REA
e PLE. Este movimento influencia os criadores e os gestores públicos responsáveis por cursos a distância
on-line, criando uma alta expectativa sobre um aluno altamente criativo e autônomo, aluno este que não é
o perfil predominante nos estudos empíricos que analisam os usos do computador e da internet por estudantes e internautas em geral. A partir dessas reflexões analisa-se o momento presente.

Publicado
2019-11-07